Plantas fáceis de cuidar

Conheça espécies indicadas para quem tem a vida corrida, mas não quer abrir mão das verdinhas

Por Giulia Esposito | Fotos Divulgação | Adaptação web Tayla Carolina

Falta de tempo não é desculpa para dispensar plantinhas em casa. Algumas espécies, de fato, demandam cuidados diários e especiais, mas há diversas outras que sobrevivem tranquilamente com medidas bem simples e eventuais. Pouco importa se o jardim tem proposta de lazer, relaxamento, convivência ou tudo ao mesmo tempo.

O que conta mesmo é ter um conjunto de espécies que se harmonizam e que, com um pouco de água, podas fáceis e simplificadas e um mínimo de adubação, resistam belas e saudáveis. Pensando nisso, conversamos com o paisagista Eduardo Luppi, que destacou em seus projetos oito espécies de plantas que têm efeito ornamental relevante sem precisar de grandes cuidados.

Confira as indicações e já escolha as que mais têm que ver com o seu jardim, considerando o estilo e a metragem disponível do local.

Grama Preta Anã (Ophiopogon Japonicus)

De coloração mais escura do que as gramas convencionais, a grama preta anã, além de bem resistente, não demanda podas periódicas e permanece verdinha durante todo o ano. É ideal para cultivo em clima tropical, mas também aceita o subtropical, o oceânico e o continental.

Por ser bastante decorativa, é muito usada entre pedras e canteiros e não aceita pisoteio constante, por isso nunca deve ser utilizada em campos de futebol ou jardins de trânsito intenso.

Papiro-do-egito (Cyperus Papyrus)

O papiro-do-egito (em frente ao ofurô) é uma planta de alagados que pode ser plantada, inclusive, dentro de vasos em lagos. Fora dos lagos, o plantio em solo fértil lamacento e de profundidade é fundamental para firmar suas hastes cobertas por fios finos e verdes-claros.

O plantio em solos secos exige regas constantes. Já a poda deve ser feita quando a haste secar ou quando se quiser brotos mais baixos, de acordo com Luppi. Da primavera ao outono, a adubação deve ser mensal com um fertilizante em pastilha enterrado no substrato.

Azaleia Anã (Rhododendrom Simsii)

Fruto de hibridação de várias espécies, a azaleia anã tem folhas elípticas (com comprimento duas vezes maior do que a largura) e ásperas e suas flores surgem nas pontas dos galhos. Diferentemente das azaleias comuns, florescem o ano todo em cores vermelha, branca, amarela, laranja, rosa e mescla delas.

Seus galhos e folhas secas devem ser retirados periodicamente e a poda é feita apenas para definir a altura dela. Nos vasos, vale regar diariamente; já nos canteiros, duas vezes por semana.

Palmeira Fênix (Phoenix Robellini)

De tronco simples que, por vezes, fica mais estreito na base, a fênix é uma espécie tropical chamada de minipalmeira. Isso porque atinge de 2 a 4 metros de altura e o tronco varia de 15 a 20 cm de diâmetro. Tem folhas de coloração verde-escura, flores amarelas e frutos vinho-escuro.

Mesmo sendo amante de sol pleno, é resistente ao frio e pode ser cultivada à meia-sombra, em áreas internas bem iluminadas e até em vasos. O plantio deve ser feito em cova ligeiramente maior que o torrão da planta e preenchida com solo bem fértil e drenado.

É importante reforçar a fertilidade semestralmente para garantir a boa nutrição dele. A irrigação periódica também precisa ser feita, especialmente em tempos mais quentes e secos.

 

Para ver todas as dicas de plantas, compre a revista Casa & Construção – 147

plantas fáceis de cuidar